Post em destaque

O dia em que perdi meu primeiro namorado

Ainda não eram os anos 2000. Eu dançava naquela sala calorenta. Tudo tão abafado que a porta ficava aberta e você me olhava do lado de fora....

29.11.16

366 dias

Ontem fez um ano que cê me confirmou que era, sim, o fim. Que eu te perguntei se a gente devia se separar e você topou. Nas outras vezes, foi diferente. Alguma coisa manteve a gente. Hoje eu sei o que foi. Cuidado.

Eu não achei que contaria o tempo assim. Que marcaria essa data. Eu não lembrava nem nosso aniversário de ficar juntos.Você comemorava essas pequenas coisas e eu adorava. Vai ver você cansou de lembrar. Dos meus esquecimentos.

Eu vi os dias passarem e sempre me impressionei com o tanto que eu não te esqueci. Eu encontrei tanta gente, conheci um punhado. Eu dancei, eu tive a cama só pra mim, dei graças a deus que não tinha você pra ver minhas bagunças, minha falta de jeito com a vida.

Eu chorei, fiquei dias deitada, dormi mesmo quando não tinha mais o que sonhar. Mas eu tive três sonhos com você e eles me tiraram de onde eu tava. Todas as vezes.

A banda que passa na esteira, Beatriz Ouvert, te amarei de novo quando você pagar sua dívida.

Recebi notícias de você pelos outros. Proibi todo mundo de me contar da sua vida, porque eu não saberia lidar. Mas os seus acontecimentos me chegavam como chega o ar. A gente nem percebe. Era uma porrada toda vez.

Nosso afilhado sempre perguntando do dindo. Você na cidade que nunca quis conhecer. Você bem. Você amando de novo. E eu vendo os dias passarem na certeza de que não seria amada, nem amaria. Na certeza de que é boa vida sem você. Mas era melhor com você.

Até que decidi que precisava ser sua amiga. E aí, pluft, eu consegui lidar com você não ser mais nada meu, exceto a pessoa que eu sempre amei.

Nenhum comentário: